18 de Maio: Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

17/05/2017

Sest/Senat investe em ações de mobilização e de conscientização dos trabalhadores do transporte e sociedade em geral. Uma criança ou um adolescente vítima de abuso ou exploração sexual carrega marcas por toda a vida. E esses casos são mais comuns do que se possa imaginar. 
São dados alarmantes

No Brasil, aproximadamente, 500 mil jovens, a maioria entre 7 a 14 anos, são vítimas de exploração sexual. Isso significa lotar seis estádios do porte do Maracanã. Mesmo sendo crime, apenas 7 em cada 100 atos são denunciados, segundo estimativa da ONG Liberta. 

Segundo o balanço geral do Disque 100 (Disque Direitos Humanos), de 2011 a 2016, mais de 110 mil casos de abuso e mais de 30 mil casos de exploração contra crianças e adolescentes foram registrados. 

 

Você sabe a diferença entre abuso e exploração sexual?

Abuso sexual

- Não envolve dinheiro ou gratificação.

- Acontece quando uma criança ou adolescente é usado para estimulação ou satisfação sexual de um adulto. 

- É normalmente imposto pela força física, pela ameaça ou pela sedução.

- Pode acontecer dentro ou fora da família. 

 

Exploração sexual

- Pressupõe uma relação de mercantilização, na qual o sexo é fruto de uma troca, seja ela financeira, de favores ou presentes.

- Crianças ou adolescentes são tratados como objetivos sexuais ou como mercadorias.

- Pode estar relacionado a redes criminosas. 

Fonte: ChildHood

 

Tipos de violência 

De acordo com a gerente de programa e de relações empresariais da ChildHood, Eva Dengler, a violência contra crianças e adolescentes está identifica em quatro grandes frentes: a negligência ou o abandono; a violência física; a violência psicológica; e a violência sexual. 

“A violência sexual se manifesta de duas formas: com o abuso – quando o adulto, geralmente próximo à criança, inicia um processo de sedução para satisfazer os seus desejos sexuais. Não há, obrigatoriamente, contato físico. São casos em que, por exemplo, o adulto faz a criança tirar a roupa na frente dele ou assistir um filme pornográfico. São situações em que a criança ou o adolescente não estão preparados para viver. O abuso é velado.  Existe um pacto de segredo. Como a relação é de confiança, de amor, a criança não percebe de maneira nenhuma que o abuso é algo errado. Ele, por vezes, acontece por anos e a pessoa só revela quando chega a idade adulta. É um processo muito complexo”, explica. 

Já a exploração, é quando meninos e meninas são colocados à disposição de adultos como um serviço sexual, normalmente dentro de ambientes de prostituição adulta. 

Somente no ano passado, o Disque 100 registrou 37.726 denúncias de violência sexual; 63.858 de violência psicológica; e 60.397 de violência física envolvendo menores de 18 anos. Fonte: Sest/Senat.